http://www3.ambiente.sp.gov.br/institutodebotanica

Pesquisadores – Núcleo Micologia e Liquenologia

 

Dra. Adriana de Mello Gugliotta

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade de São Paulo(1989), mestrado em Ciências Biológicas (Botânica) pela Universidade de São Paulo(1994) e doutorado em Ciências Biológicas (Botânica) pela Universidade de São Paulo(2001). Atualmente é Pesquisador Científico VI do Instituto de Botânica, Revisor de periódico da Mycotaxon, Revisor de periódico da Hoehnea (São Paulo), Revisor de periódico da Revista Brasileira de Botânica, Revisor de periódico da Acta Botanica Brasilica e Revisor de periódico da Acta Botanica Brasilica. Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Taxonomia de Fungos. Atuando principalmente nos seguintes temas:basidiomicetos, fungos de podridão branca, biotecnologia, biorremediação.

——————————————————————————————————————————————————–

Dra. Carmen Lídia Amorim Pires Zottarelli

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1984), mestrado em Ciências Biológicas (Biologia Vegetal) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1990) e doutorado em Ciências Biológicas (Biologia Vegetal) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1999). É pesquisadora científica do Núcleo de Pesquisa em Micologia do Instituto de Botânica. Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Taxonomia de Criptógamos, atuando nos seguintes temas: biodiversidade, Blastocladiomycota, Chytridiomycota, Hyphochytriomycota, Oomycota, taxonomia, Mata Atlântica, ecologia, fitopatologia, controle biológico. Atua também como docente e orientadora no curso de pós graduação “Biodiversidade vegetal e meio ambiente” do Instituto de Botânica de São Paulo. Atuou como Vice-Coordenadora do curso de pós-gradução do Instituto de Botânica de 2010 a 2013.

——————————————————————————————————————————————————–

Dra. Iracema Helena Schoenlein-Crusius

Possui graduação em Licenciatura em Ciências Biológicas pelo Centro Universitário Herminio Ometto (1983), mestrado (1987) e doutorado (1993) em Ciências Biológicas (Biologia Vegetal) pela UNESP, Rio Claro, SP. É Pesquisadora Científica nível VI no Instituto de Botânica (IBt) desde 1987. Recentemente foi Assessora da Assistência Técnica de Programação do IBt e também Coordenadora da área de plantas avasculares e fungos do programa de pós-graduação “Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente”. Foi Diretora do Núcleo de Pesquisas em Micologia do IBt e é membro do comitê do IBt para bolsas do PIBIC. Foi orientadora credenciada no curso de pós-graduação da UNESP em Rio Claro, na área de Microbiologia Aplicada. Foi presidente da Sociedade Botânica de São Paulo e Editor da área de Criptógamas e Fungos na Revista Brasileira de Botânica. Foi Editora de área da Revista Hoehnea e Acta Botanica Brasilica. É Conselheira Titular no Conselho Regional de Biologia, CRBio-I, atuando no Comitê de Ética e no Comitê de Meio Ambiente. Tem experiência na área de Microbiologia, com ênfase em Micologia, atuando principalmente nos seguintes temas: biodiversidade, hyphomycetes aquaticos, sistemática e ecologia de fungos aquáticos e terrestres, metais pesados e influências antrópicas sobre a diversidade de fungos.

——————————————————————————————————————————————————–

Dr. Marcelo Pinto Marcelli

Possui graduação em Bacharelado e Licenciatura Em Ciências Biológicas pela Universidade de São Paulo (1978) e doutorado em Ciências Biológicas (Botânica) pela Universidade de São Paulo (1987). Atualmente é pesquisador/professor convidado da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho e pesquisador científico nível vi do Instituto de Botânica. Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Liquenologia, atuando principalmente nos seguintes temas: liquens, fungos liquenizados, taxonomia vegetal, ecologia de criptógamas epífitas.

——————————————————————————————————————————————————–

Dr. Michel Navarro Benatti

Possui Licenciatura Plena (1999) e Bacharelado (2000) em Ciências Biológicas pela Universidade do Grande ABC, Mestrado (2005) e Doutorado (2010) em Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente pelo Instituto de Botânica da Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, onde atualmente é Pesquisador Científico nível 4, Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação em Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente, e Editor Assistente da Revista Hoehnea. Foi Curador da coleção de liquens do herbário seccional de fungos (SP) de 2005 a 2013, e também Curador da coleção de fungos de 2011 a 2013. Tem experiência na área de Botânica com ênfase em Liquenologia, em estudos de taxonomia e florística de fungos liquenizados, atuando principalmente nos seguintes temas: Liquens, Taxonomia, São Paulo, Parmeliaceae. Foi membro fundador do GEL (Grupo de Estudos Liquenológicos).

——————————————————————————————————————————————————–

Dra. Rosely Ana Piccolo Grandi

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade de São Paulo (1974), mestrado em Microbiologia e Imunologia pela Universidade Federal de São Paulo (1985) e doutorado em Ciências Biológicas (Botânica) pela Universidade de São Paulo (1993). Atualmente é professora de curso de pós-graduação do Instituto de Botânica e Pesquisadora Cientifica VI do Instituto de Botânica. Tem experiência na área de Microbiologia, com ênfase em Micologia, atuando principalmente nos seguintes temas: hyphomycetes, taxonomia, diversidade, decompositores e microfungos.

——————————————————————————————————————————————————–

Dra. Vera Maria Valle Vitali

Possui graduação em Ecologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1989), mestrado em Ciências Biológicas (Biologia Vegetal) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1995) e doutorado em Ciências Biológicas (Microbiologia Aplicada) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (2005). Atualmente é pesquisadora científica 2 do Instituto de Botânica. Tem experiência na área de Microbiologia, com ênfase em micologia, atuando principalmente nos seguintes temas: basidiomiceto, biorremediação, biodegradação, poluentes orgânicos.

——————————————————————————————————————————————————–